Sexta-Feira, 29 de Agosto de 2014
 
   
Texto
     +++     Idosos temem sustentabilidade da Seg.Soc      +++     Papa e os pecados contra a «unidade»      +++     No hospital à espera de vaga para um lar      +++     Retiro da “Vinha de Raquel” em setembro      +++     Evangelizar a família      +++     Cem anos de luz para o mundo      +++     Retratos de vida conjugal      +++     Liturgia e santidade em debate em Fátima      +++     Muçulmanos, «inimigos de Cristo»      +++     Desemprego recua para 14,1%      +++    

Ajudar instituições católicas com o IRS

Terça-Feira, 03 Abril 2012
Várias dezenas de instituições católicas integram a lista de entidades que podem beneficiar da consignação de 0,5% do IRS dos contribuintes portugueses. Centros paroquiais e IPSS, misericórdias, Cáritas e outros organismos ligados à Igreja candidatam-se a esta opção, que não traz qualquer custo adicional para o contribuinte, uma vez que este mecanismo apenas direciona uma parte da coleta para a instituição assinalada, deixando o Estado de receber esse valor.

Em 2011, as doações dos contribuintes à Cáritas Portuguesa, por exemplo, ascenderam aos 50 mil euros, segundo comunicado hoje enviado à Agência ECCLESIA. Eugénio Fonseca, presidente da organização católica, sublinha que esta "é uma doação de extrema importância" para dar resposta aos pedidos de ajuda que chegam à instituição.

Quem pretender optar pela consignação, deve preencher o quadro 9 do anexo H, que consta da declaração modelo 3, com o NIPC da instituição pretendida. A lista completa pode ser consultada no portal das Finanças.

Esta possibilidade surgiu com a Lei da Liberdade Religiosa, a qual prevê um donativo de 0,5% do valor do imposto liquidado. O texto refere que «uma quota equivalente a 0,5 % do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares, liquidado com base nas declarações anuais, pode ser destinada pelo contribuinte, para fins religiosos ou de beneficência, a uma Igreja ou comunidade religiosa radicada no País, que indicará na declaração de rendimentos, desde que essa igreja ou comunidade religiosa tenha requerido o benefício fiscal».

No artigo 32.º da lei 16/2001 pode ler-se que as verbas destinadas às Igrejas e comunidades religiosas «são entregues pelo Tesouro às mesmas ou às suas organizações representativas, que apresentarão na Direcção-Geral dos Impostos relatório anual do destino dado aos montantes recebidos».

Publicado em Actualidade

Capa





Edição de Jul-Ago/2014

bt_2

Calendário

Agosto 2014 Setembro 2014
Se Te Qu Qu Se Do
1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter

Administração