Segunda-Feira, 21 de Abril de 2014
 
   
Texto
     +++     Lisboa e Braga: Novos bispos auxiliares      +++     Militares reclamam a presença dos padres      +++     Atenção ao peditório falso      +++     Ministério não vai fechar maternidades      +++     Bragança: Pastoral do Turismo faz 1 ano      +++     Lisboa sem desperdícios      +++     «A pastoral deve aprofundar a doutrina»      +++     120 mil crianças sofrem falta de comida      +++     Grupo procura soluções para indisciplina      +++     «Um homem que dava cor ao amor»      +++    

Sociedade deve reflectir sobre a morte

Quarta-Feira, 02 Novembro 2011
Bento XVI criticou hoje no Vaticano as tentativas de «eliminar» a reflexão sobre a morte nas sociedades ocidentais, considerando que esta diz respeito «a todos, em qualquer tempo e lugar». No dia que a Igreja Católica dedica à comemoração dos fiéis defuntos, o Papa afirmou que estas celebrações «ajudar a reconhecer na morta a grande esperança, que a vida do homem não termina aqui». Durante a audiência pública semanal que decorreu na sala Paulo VI, reunindo milhares de pessoas, Bento XVI falou de um «mundo positivista, incapaz de compreender este mistério». «Ainda que a nossa sociedade tente eliminar por todos os meios mesmo o pensamento sobre a morte, questionamo-nos: Porque é que isto é assim? A resposta é que a morte diz respeito a todos, em qualquer tempo e lugar», assinalou.

O Papa lembrou que, por estes dias, se visitam os cemitérios para rezar pelos mortos, «recordando, desse modo, a comunhão dos santos» que os católicos professam no seu credo. «O homem sempre teve os mortos em consideração», prosseguiu.

Em português, Bento XVI disse que «o homem tem necessidade da eternidade», mas sente «medo diante da morte»: «Temos medo do nada, de partir para o desconhecido». «Não podemos aceitar que, de improviso, caia no abismo do nada tudo aquilo que de belo e de grande tenhamos feito durante a nossa vida. Sobretudo, sentimos que o amor requer a eternidade, não pode ser destruído pela morte assim num momento», acrescentou.

Para o Papa, «é consolador saber que existe um amor que supera a morte, um amor que é o próprio Deus que se fez homem». «Hoje, a Igreja convida-nos a pensar em todos aqueles que nos precederam, tendo concluído o seu caminho terreno. Na comunhão dos Santos, existe um profundo vínculo entre nós que ainda caminhamos nesta terra e a multidão de irmãos e irmãs que já alcançaram a eternidade», declarou, a respeito da celebração litúrgica desta quarta-feira.

Como é habitual neste encontro semanal, Bento XVI deixou uma saudação aos peregrinos de língua portuguesa: «Exorto-vos a construir a vossa vida aqui na terra trabalhando por um futuro marcado por uma esperança verdadeira e segura, que abra para a vida eterna». Esta tarde (18h00 italianas, menos uma em Lisboa), o Papa vai visitar as grutas da basílica de São Pedro, no Vaticano, para «um momento de oração em privado, em sufrágio pelos Sumos Pontífices ali sepultados e por todos os defuntos», anunciou a sala de imprensa da Santa Sé.

Publicado em Actualidade

Capa





Edição de Abril/2014

bt_2

Calendário

Abril 2014 Maio 2014
Se Te Qu Qu Se Do
1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter

Administração